5 passos para começar a importar dos EUA

Não é novidade que o mercado de varejo dos EUA está entre os maiores do mundo. Grandes varejistas surgiram por lá aproveitando as oportunidades de estar em um país com alto consumo das famílias e grande extensão territorial, garantindo uma demanda imensa para qualquer item vendido naquele país.

Esses fatores de demanda, aliados à moeda forte, baixas barreiras de importação comercial e eficiência da malha logística do país, fazem com que muitos itens cheguem às prateleiras americanos a preços relativamente muito baixos. É comum ouvir anedotas do tipo: “É mais barato comprar um vinho italiano ou francês em Nova York do que na Toscana ou em Bordeaux”, “O conserto do meu tênis está mais caro do que comprar um novo”, “O valor para mandar lavar uma camiseta básica nos EUA é o mesmo que para comprar uma nova”, e assim por diante.

Oferta abundante de produtos a preços baixos soa como música para quem gosta de comprar, mas fica aquela dúvida: “Como eu, aqui do Brasil, posso ter acesso a esse paraíso das compras sem viajar?”. Para a alegria de todos, hoje existem ferramentas, plataformas e prestadores de serviço que conseguem fazer a mágica de entregar um produto comprado nos EUA na sua casa aqui no Brasil.

Pensando nisso, escrevemos esse artigo onde contamos os 5 passos para você começar a importar agora mesmo!

Vamos aos passos? Confira:

1. Escolha seus produtos

Este passo é muito importante, pois te fará ter mais segurança no ato da sua compra. Pesquise como o mercado americano pode te atender, saiba o que precisa, busque por lojas conhecidas, certifique-se da credibilidade e qualidade do que deseja importar. Isso pode garantir que receba os itens de forma correta, segura, sem que tenha nenhum problema com o seu fornecedor durante o processo de importação.

Muitas vezes, as pessoas sequer sabem quais produtos elas querem importar. Enquanto não tiver essa certeza, pode não ser a hora de iniciar esse processo. Importação é coisa séria e requer conhecimento, estudo, pesquisa, paciência, porque se não tiver esses cuidados, você pode pagar caro por um produto, perder dinheiro e ter uma experiência muito mais negativa.

2. Tenha um endereço nos EUA

Muitos sites americanos não entregam mercadorias no Brasil e os que entregam cobram fretes muito caros. Ter um endereço americano te fará economizar, além de facilitar a sua compra. Mas como ter um endereço americano se eu estou no Brasil?

No mundo da importação de produtos, existe um agente chamado Redirecionador de encomendas. Esses redirecionadores nada mais são do que pessoas ou empresas que ficam nos EUA e que recebem suas compras feitas em sites americanos e, depois de checar os produtos e reembalar de maneira mais compacta e anatômica para proteger os produtos , enviam os seus produtos para o seu endereço no Brasil.

Novamente, neste passo você precisará pesquisar e estudar muito, pois existem diversas pessoas e empresas, que prestam esse serviço. Tente conversar com quem já utilizou o redirecionamento de encomendas, busque referências, veja se é um local confiável, e, principalmente, se atende a região que você está buscando. Além disso, é importante observar se a loja em que está comprando entrega em endereços de redirecionadores. Muitas lojas tem como política não entregar em endereços de graneds redirecionadores. Nesses casos é melhor optar por um redirecionador menor pessoa física.

Um bom lugar para buscar informações são os grupos de Facebook sobre importação. Nesses grupos, diversas pessoas compartilham suas experiências, tiram dúvidas e ajudam os novos importadores.

3. Calcule antes o valor total da sua compra

Se você tem um orçamento para sua importação, não vai querer ultrapassar esse valor, não é mesmo?

Ao pesquisar seus produtos, além de ter ideia do preço, lembre-se sempre de somar os impostos e fretes até o endereço do seu redirecionador, além de observar as taxas que esse redirecionadores de encomendas vai lhe cobrar para enviar suas compras para o Brasil. Normalmente, os sites costumam colocar um peso aproximado do item na descrição detalhada, assim, você consegue ter uma ideia de quanto pagará pelo frete tando dentro dos EUA como para o Brasil.

Analise os produtos com melhor custo-benefício, veja se sua compra de fato é viável financeiramente. Em algumas situações, por mais que os produtos americanos sejam mais baratos que os brasileiros, os custos com impostos, fretes e taxação podem acabar ultrapassando o valor do mesmo item no Brasil.

4. Formas de pagamento

Comprar em sites americanos é muito semelhante às compras feitas no Brasil. A diferença, conforme comentamos no passo 2, é que você irá colocar como endereço de entrega, os dados do seu redirecionador de encomendas.

Uma outra diferença importante é que todos os valores descritos do item 3 são em dólares. Assim, é muito importante você pesquisar as diferentes formas de pagamento, pois elas podem te levar a uma maior economia. Os cartões de crédito, por exemplo, ainda são o meio mais utilizado para esse tipo de compra. Mas para usá-los em sites americanos, você precisará habilitá-lo para uso internacional.

Apesar de práticos, nem sempre são os mais econômicos. O valor da compra feita com um cartão de crédito internacional é calculado a partir da variação do dólar de cada banco, o que significa um acréscimo de mais ou menos 5% acima da cotação do dólar comercial daquele dia. Além disso, é cobrada uma taxa de 6,38% do Imposto de Operações Financeiras, o famoso IOF.

Uma alternativa muito mais barata e segura é realizar suas compras com o Glincard, o meio de pagamento da Glin. Você pode realizar suas compras via TED ou com um cartão de crédito nacional ou internacional, e ainda pode parcelar suas compras em até 12x, sem taxas abusivas e flutuação do dólar. É economia de fato.

5. Acompanhamento da entrega

Agora que você já escolheu seus itens, encontrou um redirecionador de confiança, fez todas as contas para saber o valor final dos seus produtos no Brasil, é hora de acompanhar a sua entrega.

Utilizando o serviço de um redirecionador, ao enviar a sua mercadoria, ele vai disponibilizar um código de envio onde é possível fazer o rastreamento da mercadoria.

Durante o processo de chegada da mercadoria no Brasil, ela passa por uma triagem e são fiscalizadas via amostragem, de acordo com as regras da Receita Federal.

Para saber se a sua encomenda foi taxada ou não, você deve se cadastrar no site ID Correios, que é uma seção do site dos Correios onde é possível interagir durante o processo de fiscalização aduaneira e liberação de encomendas internacionais. Ao final do processo, no site dos Correios, o status da entrega vai estar como ‘Fiscalização Aduaneira Finalizada’.

Quer saber mais informações sobre como importar dos EUA? Clique e leia! Fique por dentro destas e muitas outras dicas acompanhando as nossas redes sociais e o nosso blog.


close
Inscreva-se para ser notificado sempre que a Glin publicar novos artigos.
Inscreva-se para ser notificado sempre que a Glin publicar novos artigos.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *